Mitos e verdades sobre provas discursivas nos concursos públicos

Mitos e verdades sobre provas discursivas nos concursos públicos

Escrito Por
LUCIANA CUNHA
em 01 Março 2018
Início > Blog > Mitos e verdades sobre provas discursivas nos concursos públicos

A maioria dos candidatos sente um verdadeiro pavor ao ler o edital do concurso público e se deparar com a existência de uma fase discursiva.

É claro que cada concurso tem um perfil, cada banca exige um tipo de abordagem, mas algumas atitudes podem te ajudar a resolver qualquer prova discursiva com mais facilidade e eficiência, alcançando aquilo que o examinador quer ler e te ajudando a subir muitas posições na lista!!!

Nesse artigo, vamos acabar com alguns mitos, além de te presentear com 5 dicas infalíveis para você se dar bem em qualquer prova discursiva!

 

Antes de começar: Quais os principais tipos de provas discursivas?Quais os principais tipos de provas discursivas?

Para vencer o inimigo, você deve conhecê-lo! 

A chamada “prova discursiva” nada mais é do que uma fase do concurso em que a banca exige a elaboração de um texto dissertativo. E o que é um texto dissertativo?

Existem basicamente 3 espécies:

- o texto argumentativo, no qual você precisa escrever sobre um assunto de atualidades. Aqui, as bancas geralmente cobram esse tipo exigindo que o candidato elabore uma “redação” ou uma “dissertação sobre tema geral”;

- o texto expositivo, no qual você precisa escrever sobre um tema específico ou técnico. Essa espécie é cobrada como “dissertação sobre assunto específico”, “dissertação sobre conhecimentos específicos” ou, ainda, “questão discursiva”;

- o estudo de caso, no qual você precisa utilizar seus conhecimentos para resolver um caso proposto pela banca.

E aqui já vamos acabar com o primeiro mito: você não precisa estudar cada espécie de texto dissertativo! E sabe porquê? Porque embora existam várias espécies, a forma de elaboração da resposta é a mesma! Você só precisará adequar o conteúdo ao espaço e ao tipo de prova exigido. Como fazer isso?

Fórmula básica (ou mágica) para resolver qualquer prova discursiva

Fórmula básica (ou mágica) para resolver qualquer prova discursiva

Embora o tipo de prova discursiva possa mudar, o candidato sempre terá de dissertar sobre um assunto, seja ele de atualidades ou específico, devendo concluir seu texto com uma reflexão ou, no caso do estudo de caso, com a solução para o problema apresentado. 

Assim, na realidade, não existe mágica, mas é perfeitamente possível estabelecer uma fórmula básica para orientar a elaboração de qualquer texto! 

Quando você se deparar com a prova, depois de analisar bem os textos motivadores, ou o tema/caso sugerido, organize suas ideias imaginando que sua dissertação tem que conter uma introdução, o desenvolvimento do assunto, e, por fim, a conclusão a que chegou ou a solução para o caso proposto. 

Se você se orientar por essa fórmula (introdução+desenvolvimento+conclusão) verá que seu texto necessariamente vai abordar o tema ao mesmo tempo em que vai manter um encadeamento lógico das ideias (que, aliás, é um dos pontos de maior desconto em provas discursivas!).

Agora você deve estar se perguntando: e como elaboro um texto de qualidade com o tempo tão curto? É hora de acabar com mais um mito!

 

Como enfrentar um dos maiores vilões: o tempo!

Como enfrentar um dos maiores vilões: o tempo!

O tempo para a resolução da prova discursiva pode variar de concurso para concurso. Em alguns certames, a prova é realizada em conjunto com a fase objetiva, o que dificulta ainda mais o controle do tempo.

Diante de tantas variáveis, o mais importante é que você calcule um tempo, cronometre e respeite essa divisão, considerando que é necessário um tempo para organizar as ideias e um tempo para escrever o seu texto. 

Assim, como sugestão, você pode dividir o seu tempo disponível em 1/3 para organizar e 2/3 para escrever (ex: se tiver 1h30 para resolver a prova discursiva, separe 30 minutos para organizar as ideias e 1h para escrever o texto propriamente dito).

Você pode até ter dúvidas do motivo pelo qual precisaria de mais tempo para escrever do que para organizar as ideias, já que refletir sobre o tema exige tempo, certo?

No entanto, se você fizer isso, vai correr alguns riscos:

a) pode não ter tempo de concluir o texto;
b) pode ter que correr para concluir, o que vai te fazer cometer mais rasuras e escrever com uma letra não tão legível;
c) pode impossibilitar a revisão do texto (algo que é essencial).

E lá se vai a quebra de mais um mito: melhor do que um texto profundo e cheio de palavras difíceis (o que é muito difícil de se construir em 20 ou 30 linhas), ilegível e cheio de erros, é um texto simples, limpo, coeso e sem erros gramaticais. O examinador não espera que você faça um texto digno de um professor de português!  Seu objetivo deve ser: respeitar o tema, ser claro e apresentar as ideias de forma concatenada!

Pra fechar, anote aí 5 dicas infalíveis para se dar bem em qualquer prova discursiva!

 

 

5 dicas infalíveis para se dar bem em qualquer prova discursiva

5 dicas infalíveis para se dar bem em qualquer prova discursiva

1º) LEIA A QUESTÃO MAIS DE UMA VEZ E GRIFE O QUE ACHAR IMPORTANTE

Sabemos que na hora do nervosismo, muitos candidatos fazem uma leitura apressada da questão discursiva e isso pode custar a sua reprovação ou rebaixamento no concurso.

Assim, o primeiro passo é fazer uma, duas, até três leituras da prova, procurando grifar as palavras-chaves do enunciado ou dos textos motivadores, que vão ajudar você a identificar o que o examinador realmente quer saber.

 

2º) ORGANIZE SUAS IDÉIAS EM TÓPICOS – NÃO CAIA NA TENTAÇÃO DO RASCUNHO!!!

Depois de compreender o assunto, você precisa organizar as ideias que vão surgir.

Use o espaço do rascunho para isso, anotando, em tópicos, todos os temas relacionados ao assunto que você vai escrever. Depois, em ordem de preferência, vá numerando os itens, do mais importante para o menos importante.

Comece sempre pelos mais importantes, já que, caso o espaço seja insuficiente, não correrá o risco de ter deixado o mais importante para o final.

E não caia na tentação de fazer um rascunho! Isso leva muito tempo e, com a estruturação dos tópicos, você verá que não será necessário.

 

3º) INICIE DE FORMA AMPLA E VÁ RESTRINGINDO SUA ABORDAGEM

Muitas pessoas têm dúvidas sobre como iniciar uma discursiva.

Uma das formas de introduzir o seu texto é tratar do assunto de forma geral, ou seja, mencionar um conceito amplo, dissertar sobre a importância do assunto, trazer os antecedentes históricos do tema, e por aí vaí.

Feito isto, direcione o seu texto para a abordagem específica que quiser dar, ou seja, utilize os demais parágrafos para tratar sobre aspectos relacionados ao tema, pontos positivos e negativos, exemplos de aplicação em diversas áreas, correntes existentes sobre o assunto.

4º) NÃO SE ESQUEÇA DA CONCLUSÃO

Todo texto precisa ter uma conclusão, seja a forma que tiver.

E a maioria dos candidatos se perde no decorrer da discursiva e acaba entregando a prova sem conclusão (seja por que não sobraram linhas, seja porque o candidato não se lembrou disso).

Assim, ao estruturar seu texto, sempre tenha em mente que, após a introdução geral do tema e a discussão dos aspectos relacionados, o examinador quer ver se você refletiu sobre o tema e tirou uma conclusão sobre ele, ou se respondeu ao caso concreto apresentado.

Assim, divida as linhas existentes e deixe ao menos 3 ou 4 para a conclusão. Utilize expressões como “ao que tudo indica”, “por todo o exposto, parece haver”, e evite expressões como “acho que é ruim/bom”, “não concordo ou concordo com tal linha de pensamento”.

5º) REVISE O TEXTO AO FINAL 

Pode parecer bobo, mas muitos candidatos simplesmente não releem o que escreveram.

Não é porque você terminou de escrever que seu trabalho terminou também.

É imprescindível reler o que você escreveu.

Isso pode lhe ajudar a ajustar a pontuação (colocar uma vírgula ou acento que faltou, por exemplo), verificar algum erro de ortografia que pode ser corrigido (às vezes é melhor cometer uma rasura e inserir a palavra correta do que a deixar errada) e complementar o seu texto (se ainda houver linhas).

É aquele “polimento” que pode dar um brilho a mais em sua discursiva e a diferenciar das demais. Não ignore essa dica!

Claro que há muitos outros pontos que podem ser aprimorados para que a sua prova discursiva contemple o necessário, otimizando tempo e espaço e lhe garantindo uma nota alta no concurso. No entanto, essas 5 dicas são poderosas e essenciais! Faça o teste! Selecione um tema e siga as dicas acima! Você vai se surpreender com a qualidade da sua discursiva!

 

GOSTOU DESTAS DICAS ? 

BAIXE AGORA MESMO O E-BOOK GRÁTIS 10 PASSOS SIMPLES PARA VOCÊ VENCER O MEDO E TER SUCESSO NA PROVA DISCURSIVA.

Agora mãos a obra!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como você viu, a prova discursiva não é um bicho de sete cabeças! Seguindo uma fórmula básica, e procurando organizar bem suas ideias e o tempo disponível, é possível fazer um texto de qualidade (e que não significa um texto complexo!) e garantir a sua aprovação no concurso dos seus sonhos!!!

Mas, é claro, a perfeição virá com o treino! E aqui fica a dica extra mais preciosa de todas: TREINE!!!! Selecione temas, procure organizar suas ideias sobre eles e tente produzir textos com frequência. E, se possível, faça isto em um tempo cronometrado. Não há melhor exercício do que aquele que simula as condições reais de prova!

Se quiser nos contar sobre a sua evolução depois destas dicas, deixe um comentário neste post!!! 

Sucesso nas provas!! ; )

 

JUNTE-SE A MAIS DE 10.000 CONCURSEIROS E ENTRE AGORA PARA LISTA VIP

Receba conteúdo prático, exclusivo e 100% gratuito, para você passar mais rápido em provas, exames e no concurso público dos seus sonhos.

Junte-se a mais de
10.000
concurseiros

Entre para nossa lista VIP e receba conteúdo exclusivo e 100% gratuito sobre concursos